Hortelã

A hortelã pode tanto ser ingerida como inalada, pois possui poderes antibacterianos, antifúngicos, anti-inflamatórios além de antioxidantes poderosos, vitaminas A, B6, C, E, K, ácido fólico e a riboflavina.

A hortelã relaxa os músculos do estômago e melhora o fluxo de bile, que o corpo usa para digerir gorduras.

Diversos estudos revelaram que a hortelã é muito eficiente no tratamento dos sintomas da síndrome do cólon irritado.Aajuda no tratamento de sintomas como dor, inchaço, gases e diarreia.

Erva-cidreira

Uma erva muito conhecida dos amantes do chá, a erva-cidreira tem um plantio fácil e dá pequenas flores que atraem abelhas. Mas são as suas folhas cítricas que rendem um chá delicioso e podem ser usadas com esse propósito tanto secas quanto frescas e recém-colhidas.

Essa erva além de poder ser utilizada para tratar problemas digestivos, também pode atuar no controle dos sintomas da ansiedade, pois possui propriedades calmantes, garantindo a sensação de tranquilidade e bem-estar.

Para fazer o chá de erva-cidreira é aconselhado usar somente as suas folhas, tanto secas como frescas, pois é a parte da planta que contém todas as propriedades benéficas para a saúde.

Camomila

Ajuda na má digestão, acalma e reduz a ansiedade. são alguns dos benefícios do chá de camomila, além de melhorar a qualidade do sono.

O chá de Camomila, pode ser preparado usando as flores secas da planta ou os sachês que se compra no supermercado.

O chá de Camomila pode ser preparado sozinho ou numa combinação de plantas, como erva-doce e hortelã, combinando vários benefícios em uma única bebida.

Os principais benefícios do chá de Camomila incluem:

Redução da hiperatividade;

Ajuda a acalmar e a relaxar;

Alivia o estresse;

Auxilia no tratamento da ansiedade;

Ajuda no tratamento de problemas no estômago, a controlar a má digestão e a tratar as úlceras no estômago;

Alivia cólicas menstruais;

Ajuda no tratamento de feridas e inflamações;

Alecrim

É rico em fibras, vitamina C, C, Cálcio, Ferro, Magnésio, Fósforo, potássio e praticamente não possui contraindicações.

O alecrim pode ser tomado em infusão, sem ferver a planta, ou somente deixando um ramo de alecrim fresco dentro de uma jarra de água, que se tomará durante o dia. É usado também para decorar e temperar pratos e receitas salgadas, como purês.

Sálvia

Seu chá é indicado como expectorante para gripes e resfriados, para lavar feridas infeccionadas, e para inalação. Na cozinha é bastante usada no tempero de carnes. Na Itália se tempera a pasta com manteiga e folhas de sálvia.

Trata cólicas menstruais, ansiedade, insônia e sintomas da menopausa.

Todos os chás anteriores, podem ser feitos com a infusão de folhas ou de sachês e podem ser tomados quentes ou gelados.

Todos estes chás podem ser cultivados em casa, no jardim ou vasinhos, regados com a frequência de 1x por semana, pelo menos, nas épocas mais secas.

O nutricionista é o profissional adequado para indicar os melhores tipos de chás e sua frequência, na alimentação.

Primeiramente a organização de horários é fundamental para mudanças de hábitos.

Faça uma planilha com sua rotina, contendo horários de refeições, pausas para lanche, horários de treinos, horário de dormir. A partir daí fica mais fácil de inserir as refeições necessárias e novos hábitos de vida.

Nossa nutricionista Cristiane Coronel, nos responde:

 Quais são as dicas que você pode dar para quem deseja começar?

Mude o pensamento. Foque todos os dias em pensar na qualidade do alimento e o bem que você está fazendo para você mesmo. Não busque alimento somente por prazer. Porém, permita-se 1 vez por semana uma refeição livre (e não um dia inteiro livre, por favor).

Coma com calma e mastigue mais. Dê tempo para seu cérebro assimilar a alimentação e te dar o sinal de saciedade mais rápido (na hora certa). Comer correndo faz com que você coma alimentos não triturados (dando mais trabalho para estômago e intestino, podendo causar mal-estar e indigestão) e ainda, o centro da saciedade demora a mandar o sinal. Você acaba comendo bem mais do que deveria realmente. Evite isso.

Procure boas noites de sono. É normal que um dia ou outro nós acabamos dormindo mais tarde por vários motivos. Mas organize-se para deitar mais cedo, desligue a tv e não fique mexendo no celular. Dê o “OFF” para seu cérebro e determine o horário. Ao menos 6 horas de sono devem ser mantidas. 

Quais são os primeiros 5 passos para quem vai mudar os hábitos alimentares?

1 -Em termos alimentares, vamos já falando sobre a água. O quanto você toma hoje e o quanto precisa adequar. Use garrafas adequadas para transportar sua água, e tenha o hábito de estar sempre tomando. Dica: Instale um APP de lembrete de tomar água, ajuda bastante.

2 – Logo depois precisamos organizar os alimentos em casa e como levar com você.

Utilize bolsa térmica adequada que você possa levar o almoço congelado e descongelar no local de trabalho.

3 – Lanches frios como frutas, iogurtes, queijos, castanhas, sanduichinhos, devem ser inseridos nos intervalos das refeições principais.

4- Organize a alimentação a cada 2 ou até 4 horas, dependendo de sua rotina.

5 – Deixe pronta em casa uma refeição simples para o jantar. Que seja uma sopa que você mesmo preparou e congelou, como uma pequena refeição que contenha carne magra, legume cozido e salada colorida com azeite.

Quais são os cuidados necessários com essa reeducação?

Cuidado com o exagero. Exagero de informações e “Terrorismos alimentares” que vemos e lemos muito por aí. Não, você não vai morrer amanhã se comer uma fatia de queijo com pão francês. Saiba delimitar seus prazeres dentro de uma rotina saudável! Geralmente 1 refeição livre durante a semana já é um ótimo começo para desenvolver a disciplina de controlar a gula.

Pratique atividades físicas regulares, nem atividades demais nem de menos. Converse com seu professor e chegue em um acordo do melhor para você, que você consiga cumprir efetivamente.

Consulte um nutricionista para melhor adequar sua alimentação em sua rotina e hábitos de vida.

Cristiane Coronel

Nutricionista Clínica e Esportiva Funcional

CRN1-4551

Alimentação saudável protege contra o câncer. Deve ser variada, equilibrada, saborosa, respeitar a cultura e proporcionar saúde.

Frutas, legumes, verduras, cereais integrais e feijões são os principais alimentos protetores. Comer esses alimentos diariamente pode evitar o desenvolvimento de câncer.

A partir desta variação de alimentos, podemos ter em nosso organismo diariamente fitonutrientes, fitoquímicos, antioxidantes, vitaminas e minerais altamente protetores.

Dê preferência aos alimentos orgânicos e grãos integrais pois são livres das toxinas provenientes de agrotóxicos. Os grãos integrais além de fornecerem energia, são ricos em fibras que protegem o trato gastrointestinal, melhoram a eliminação das fezes e evitam putrefação de alimentos acumulados e parados ao longo do intestino.

Ficar acima do peso também eleva os riscos de desenvolvimento de tumorações mamárias.

Quando se está acima do peso, a concentração de gorduras corporais eleva produção de hormônio feminino, desregulando o equilíbrio do organismo, influenciando na deposição de toxinas nas células adiposas e mamárias.

Qual relação entre potes de plástico e o câncer de mama?

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária proibiu potes, embalagens e mamadeiras de plástico que possuem Bisfenol A (BPA) e benzeno pois são substâncias comprovadamente tóxicas ao organismo. Sua molécula é muito parecida com o estrogênio, hormônio feminino, que “engana” nosso organismo, sendo absorvida e depositada nos tecidos adiposos e mamários podendo levar a tumorações principalmente mamárias.  Então, evite armazenar e aquecer  alimentos, molhos em potes de plástico, você pode estar contaminando sua comida com essa toxina. Quer uma prova de como isto acontece?  Coloque em um pote branco ou de plástico transparente, molho de tomate e guarde por 1 dia. Observe que ao lavar o pote, este fica impregnado de vermelho. O que houve?  O Licopeno (antioxidante do tomate)  se liga às substâncias do plástico (dentre elas o bisfenol e benzeno) havendo uma “troca”. O Licopeno vai para as paredes dos potes e as toxinas saem das paredes do pote e se ligam ao molho, contaminando-o.  Este processo acontece com alimentos comuns e gorduras, só não há a mancha que fica no pote, mas o processo de troca continua a acontecer.  Devem ser utilizados potes de vidro ou louça pois não contém substâncias tóxicas que interagem com os alimentos.

 

 

 

– Como funciona a contagem de carboidratos? Como e quando devemos fazê-la? 

Para quem precisa perder peso, contar carboidrato pode ser uma solução. Para quem busca uma perda de 10kg ou mais, o ideal é não ultrapassar 20g de carboidratos líquidos ao dia. Já quem precisa perder menos, pode ser consumido em média, de 35-40g de carboidratos líquidos diariamente.

 

– O que são os carboidratos líquidos?

Existem vários tipos de carboidratos. Para calcular o valor líquido de carboidrato, é necessário tirar o valor das fibras do valor total de carboidratos, da quantidade a ser consumida. Para facilitar o cálculo, é preciso obter uma Tabela de alimentos confiável como a Tabela Nutricional da Anvisa (www.tabelanutricionalanvisa.com.br), que você pode montar sua própria tabela com os alimentos individualizados.

Por exemplo o abacate: 100 gramas de abacate tem 8,53 gramas de carboidrato e 6,7 gramas de fibras, então são 1,83 gramas de carboidratos líquidos.

 

– Para que serve essa contagem?

A contagem de carboidratos orienta no cumprimento de uma dieta low carb, obrigando de certa forma, a pessoa variar mais os alimentos, introduzindo mais hortaliças, alguns tipos de frutas e excluindo alimentos processados/industrializados. Naturalmente o valor protéico e de gorduras aumentam nesse tipo de processo, fazendo com que o organismo trabalhe de forma diferente do habitual, aumentando o metabolismo e reduzindo picos insulinêmicos, ou seja, quanto menos for produzida a insulina para metabolizar estes carboidratos, mais ocorrência de queima de gordura corporal e principalmente, na região abdominal.

 

– Qual é a importância dessa contagem?

A contagem de carboidratos educa o indivíduo a se portar diante dos alimentos, fazer as escolhas mais saudáveis e mais inteligentes para seu benefício.  Naturalmente depois desse processo, a pessoa vai ter certas noções da alimentação.  A contagem de carboidratos, é um dos métodos mais eficazes para os diabéticos, por exemplo. Além de controlar a glicemia, orienta que tipos de alimentos são mais adequados para ele comer e com que frequência deve comer.

– Quais as dicas que você pode dar para quem precisa contar os carboidratos no dia a dia?

Primeiro, faça uma tabela diária e vá registrando um dia comum, sem alterações na alimentação. Você enxergará a quantidade de carboidratos que você comumente ingere e isto, vai te dar noções de onde começar a reduzir quantidades e excluir os alimentos que mais prejudicam sua dieta.  No processo de emagrecimento, faça também o registro para controlar a quantidade de carbos ingeridos.

Claro, que antes de tudo, deve ser orientado por Nutricionista para ter uma dieta individualizada, respeitando sua rotina, saúde e costumes, avaliando periodicamente a alimentação, estado de saúde e estético.

“Nossa, mas o sabor é idêntico!”. Quantas vezes nós ouvimos isso quando alguém experimenta um doce sem o uso do açúcar? Cada vez mais expostos nas prateleiras dos supermercados e lojas de alimentos naturais, os produtos diets são alternativas deliciosas para quem procura evitar o consumo do açúcar refinado no dia a dia, mas não abre mão de um docinho no lanche da tarde ou nas sobremesas. Por isso, descubra quais são os alimentos sem açúcar mais benéficos para a sua saúde!

Seja geleia, chocolate, gelatina ou iogurte, os alimentos diets não possuem ou têm a quantidade reduzida de algum ingrediente, portanto, eles podem ser livres de açúcar, calorias, sódio ou outras substâncias, de acordo com a premissa oferecida pelo produto. Por isso, é tão importante ler os rótulos antes de consumir. Segundo a nutricionista Cristiane Coronel, antes de designar os melhores alimentos diets para nossa saúde, é necessário entender a diferença entre os produtos diets e light:

“O alimento diet é aquele que teve algum componente (açúcar, sódio, carboidrato, glúten, por exemplo) retirado completamente de sua produção. É um grupo de alimentos que não é somente indicado à pacientes diabéticos e sim para outras restrições de ingredientes também. Já o produto light é aquele que apresenta no mínimo 25% menos calorias do que sua versão normal, sem necessariamente cortar algum ingrediente”, analisa a profissional.

Dietas restritivas – Os alimentos diets, são mais indicados para restrições alimentares, visto que os consumidores podem ter, por exemplo, alergias ou intolerâncias ao glúten ou outra substância, surgindo assim a necessidade da indicação para cada necessidade específica. Cristiane Coronel separou os 7 melhores alimentos para o seu dia a dia. Confira!

7 alimentos dietéticos para sua alimentação saudável

1 – Iogurte natural funcional: Ele, por si só, é uma fonte natural de proteínas, probióticos, minerais como cálcio e magnésio. “Sua fórmula original não possui açúcar e existem também opções com redução de gorduras. Excelente para comer no café da manhã ou lanches pois sacia e fornece bons nutrientes”, indica a nutricionista.

2 – Chocolate amargo: Segundo a Dra. Cristiane, o chocolate sem açúcar é um dos maiores representantes do grupo dos diets. “Indicado para diabéticos, que precisam diminuir os níveis de glicose, o chocolate diet não é necessariamente menos calórico do que a versão normal, porque para compensar a troca de açúcar por adoçante na produção, o que muda a textura do alimento, os fabricantes costumam aumentar a dose de gordura”, analisa.

3 – Pão sem glúten: Também é considerado um alimento diet, pois não contém glúten no produto. “Porém nem sempre é indicado por diabéticos. As outras farinhas existentes no composto, podem ser de alto índice glicêmico, podendo aumentar a glicemia”, alerta a especialista.

4 – Gelatina: Embora seja um alimento conhecido por suas baixíssimas calorias, a nutricionista alerta que, para a gelatina ser saudável, é necessário escolher a versão sem sabor e sem corantes: “Preparar com as folhas ou gelatina em pó normalmente e completar com suco natural. Muitas vezes não é necessário adoçar, mas dependendo do sabor, pode-se usar Xilitol ou adoçante de forno e fogão”, explica Cristiane Coronel

5 – Leite de coco: Não possui sódio, açúcar e nem as proteínas do leite de vaca, sendo uma boa alternativa para os intolerantes à lactose. “Pode ser usado em muitas receitas como substituto do leite. Rico em proteínas e boas gorduras, o leite de coco também possui atividade anti-inflamatória no organismo”, analisa a nutricionista.

6 – Paçoquinha: Excelente opção para matar aquela vontade quase incontrolável de comer doce sem ter açúcar no produto. “A paçoquinha diet possui boas fontes de gorduras e proteínas. Pode ser indicado para dietas restritivas em açúcar como também para dietas de emagrecimento”, indica.

7 – Geleia: Livre de açúcar, esse alimento pode compor o café da manhã, lanche e até a sobremesa. “Geralmente são adoçadas com stevia, sucralose ou concentrado de suco de uva, como as geleias francesas. Também não são produtos que devem ser livremente consumidos por diabéticos, pois possuem carboidratos e açúcar natural proveniente das frutas, como a frutose”, finaliza a nutricionista.

*Cristiane Coronel (CRN1-4551) é nutricionista clínica e esportiva funcional e disponibiliza o seu site para contato e outras informações: Corpo Nutri.